Ideal Clube

Zé Ferreira: primeiro nadador da América Latina a disputar a Batalha de Rande, na Espanha.

Publicado em 01.08.2019

De volta a Fortaleza, o atleta da natação master do ideal Clube, Zé Ferreira, realizou um grande feito na Espanha, ele foi não somente o primeiro brasileiro, mas o primeiro nadador latino-americano a participar da Travessia da Batalha de Rande. A prova é uma ultramaratona de 27 quilômetros de distância, realizada na Espanha entre as ilhas Cíes e San Simón. O local da prova de águas abertas é onde aconteceu a Batalha de Rande, um conflito entre espanhóis e franceses contra os anglo-holandeses, em 1702. A batalha naval foi vencida pelos anglo-holandeses, dentro do contexto da Guerra da Sucessão Espanhola. 

Carioca da gema, JOSÉ EDUARDO FERREIRA, o Zé Ferreira, começou a nadar nas piscinas do Clube de Regatas Flamengo, no Rio de Janeiro, aos 7 anos de idade. Foi atleta do rubro-negro até os 20 anos, depois foi nadar defendendo as cores do Botafogo. Por conta de uma mudança profissional, veio morar em Fortaleza em 2006. Há 14 anos é atleta do Ideal e coleciona inúmeros títulos ves-tindo as cores do clube.

Além de sua participação, sua colocação na Batalha de Rande é motivo de orgulho para o esporte idealino, Zé ficou em 8º lugar, dentre 100 nadadores de todo o mundo. A prova foi realizada no dia 22  de junho.

O ultramaratonista completou a prova em 6h44min18s, mas mais do que isso, conseguiu superar a maior adversidade, que foi a água gelada. “Foi minha primeira prova internacional, em um ambiente que eu não conhecia, treinei muito e o Samir Barel, conseguiu entender minhas necessidades e me preparar apenas para essa prova. Estava confiante, bem treinado, mas ansioso por nadar em águas tão geladas”, contou o atleta, que nadou em temperaturas em torno dos 16ºC. O que mais chamou atenção do nadador foi a segurança na prova. “Cada grupo tinha lanchas e caiaques. O fato dos nadadores competirem com uma boia de segurança também nos deu ainda mais confiança. Dentro da boia havia um GPS e as pessoas de fora também podiam acompanhar todo o nosso percurso”, contou.